Nesse fatídico dia em que o Ivo literalmente arreganhou as pernas do Treta para a entrada de ilustres conhecidos, a blogosfera se debulhou em elogios e regojizou perante tamanha astúcia e genialidade. E ele sequer imaginava que faria tanto sucesso assim, deixar um blog na mão de duas dezenas de escolhidos.

O fato é: a escolha desses blogueiros não teve muito critério. Até por que eu e o Kibeloco caímos de pára-quedas nessa bagaça, sem saber exatamente o motivo. Ele diz que escolheu os mais influentes, mas… PFFF, desde quando o Kibeloco se encaixa nessa categoria? Só me resta pensar que a escolha foi feita com a ajuda de uma moeda, um dado e algumas substâncias não-lícitas.

O importante é que rendeu. Até agora, desde o falecimento do computador do Ivo e do próprio, tivemos: dois posts onanistobrochantes (o brochante é aquele que cita Criz Zimermann – por motivos óbvios), uma possível resposta do Tabet (esse perdeu a chance de dizer alguma coisa) escrita pelo nHoCK, um post de jabá exclusivo e explícito, um post sobre o nada com jabá implícito, um post metade patrocinado, metade pessoal e metade lúdico, três posts mostrando que o nonsense é um limite facilmente ultrapassável, um post de jabá pra alguém além de quem escreveu, duas declarações de amor, dois posts na barreira do pornográficoinfame, um press-release de uma banda nova no mercado fonográfico-terrorista, uma dica para homens que gostam de comer as amigas sem pensar num compromisso mais sério e sem ligar no dia seguinte, uma dica de animação educativa e um post inútil (esse mesmo).

Para você que não aguenta mais ver um post novo a cada refrescagem (sic) da página ou que não suporta o marcador de artigos não lidos do Treta no seu leitor de feed aumentar a cada login, esse texto pode contrariar a lógica inicial e passar a ser útil.

* O artigo acima não foi escrito por um FRANGO e sim pelo Rafa, que gosta de falar dele mesmo na terceira pessoa. Principalmente no twitter.