Em um raro momento de absoluta utilidade pública, o TRETA vem à público prestar um serviço de grande valia aos seus leitores e à sociedade em geral (modo megalomaníaco ativado) trazendo um convidado da área médica – e apaixonado por música eletrônica – para responder a algumas perguntas de jovens de várias localidades do país sobre substâncias entorpecentes e/ou aquelas que podem causar dependência química.

Nossa iniciativa, antes de mais nada, visa trazer dados científicos aos usuários de drogas e à população em geral sobre seus efeitos, riscos e malefícios à saúde. Acreditamos que somente com informação adequada os jovens serão capazes de conscientizar-se sobre o consumo de entorpecentes, ao menos, minimizando suas implicações e evitando excessos absolutamente desnecessários.medico_1_

Vamos às primeiras 7 dúvidas (colhidas em entrevistas realizadas com jovens presentes durantes os últimos eventos promovidos em parceria com o TRETA):

 

1. “Caro Dr. Tatalluga, do ponto de vista médico, quais seriam as substâncias entorpecentes verdadeiramente prejudiciais ao organismo?”
(Diogo Silva Surubim – Guarapari, ES)

DR. TATALLUGA: Tudo em excesso pode ser letal, até mesmo água (desequilíbrio eletrolítico). As drogas vendidas sem fiscalização não tem procedência garantida: um comprimido de ecstasy pode ser veneno de rato, ou simplesmente conter uma porção absurda de substância ativa – o que causaria sérios problemas. Da mesma forma, pesticidas utilizados em plantações de ópio e maconha podem torná-las potencialmente perigosas ao organismo.

 

maconha1 2. “Dr. Tatalluga, sou usuária recreativa de maconha e descobri recentemente estar grávida. A maconha realmente prejudica a gestação?”
(Carolzinha – Jardim Camburi, ES)

DT: Partindo do pressuposto que não há como conhecer a procedência da droga, você não sabe a quantidade de principio ativo e nem o que pode estar contido nela (amônia, essências, pesticidas, conservantes). De qualquer forma, seu consumo não é recomendado durante a gravidez. Alguns estudos associam o uso da maconha na gestação com alterações no processo cognitivo superior (comunicação, raciocínio, memória). Nada muito conclusivo, contudo, pelos motivos já descritos, não é recomendado correr um risco evitável.

 

ecstasy43. “Dr. Tatalluga, minha namorada tomou um comprimido de ecstasy comigo numa boate e passou muito mal. Tivemos que sair pra ela deitar e arejar, mas o efeito parecia não passar. O que é melhor fazer numa situação dessas?”
(Ricardo Cabeção – Mata da Praia, ES)

DT: Pronto Socorro, sem escala. Como já dito anteriormente as drogas consumidas ilegalmente não têm procedência ou regulamentação. O ecstasy possui um processo particularmente precário de fabricação. A sua “bala” pode ter uma quantidade normal de substância ativa e a da sua namorada 20 vezes mais. Além das substancias não serem padronizadas, podendo causar intoxicação aguda, reação anafilática e outros. Ao passar mal, procure um médico imediatamente (em qualquer circunstância, ou sob o efeito de qualquer substância).

 

4. “Estou tomando sibutramina sem receita médica e me disseram que eu não devo beber se tomar o remédio. O que pode acontecer? Posso correr risco de vida?”
(Kamile Costa – Colatina, ES)

DT: A sibutramina aumenta a secreção de um hormônio que se chama noradrenalina, precursor da adrenalina, que dentre outras reações causa aumento da freqüência cárdica e da pressão arterial. Isto significa que, como qualquer outro medicamento, deve ser ministrado com acompanhamento médico. Quando a sibutramina é associada ao álcool, este pode criar e ou potencializar seus efeitos colaterais e toxicidade hepática.

 

lanca 5. “Qual a diferença entre lança-perfume, loló e benzina?”
(Rodrigo – Itapoã, ES)

DT: O lança-perfume é uma combinação de éter, clorofórmio, cloreto de etila e uma essência perfumada. É industrializado, sendo embalado sob pressão dentro de tubos, onde tem a forma de um líquido. Em contato com o ar ambiente, é rapidamente evaporado. Desodorizador de banheiros, era usado em “outros carnavais” para refrescar a pele nos salões, já que é altamente volátil e rouba calor da pele. O loló é uma mistura caseira de solventes de procedência duvidosa e em quantidades aleatórias o que pode causar facilmente uma intoxicação aguda. Benzina é um solvente derivado do petróleo, nada bom de ser inalado, também altamente tóxico.

 

6. “Dr., desconfio que meu irmão esteja consumindo crack. Pelo menos já ouvi ele falando com amigos sobre “pedra” e tenho outros motivos para estar achando isso. Quais os sintomas do viciado em crack e o que posso fazer para ajudá-lo?”
(Ronaldo – Itapoã, ES)

DT: O crack é uma droga devastadora. Destrói psicologicamente, moralmente e biologicamente o viciado. Os efeitos psicológicos são euforia, aumento da auto-estima e sensação de poder, além da perda de apetite, seguidos por forte depressão, ansiedade, agressividade e descontrole emocional, o que faz o viciado perder seus padrões de discernimento e o leva à marginalidade social. No organismo, por ser uma droga estimulante do sistema nervoso central causa aumento da pressão arterial e freqüência cardíaca, dilatação das pupilas, suor intenso, tremores, degeneração muscular e nervosa. Infelizmente, o prognostico do viciado em crack não é nada bom. um estudo recente da universidade federal de São Paulo (Unifesp) acompanhou viciados em crack a longo prazo (12 anos). Dentre 131 usuários da droga estudados,  21% deles morreram, a maioria assassinados. Dos 70% que procuraram tratamento, apenas 33% se recuperaram. Tenha uma conversa franca com o seu irmão, se aproxime dele, com tato pra conseguir que ele se abra se estiver com problemas. Em caso positivo procure um tratamento profissional e interdisciplinar para que o seu irmão se cure o quanto antes. Além do apoio profissional é crucial e imprescindível o apoio de amigos e familiares para o sucesso de qualquer tratamento de saúde.

 

uísque-nas-rochas-thumb2513537 7. “Dr. Tatalluga, depois de uma noitada, cheguei em casa e dormi de boca aberta, com o rosto virado pro travesseiro. De manhã, além de muita baba tinha uma mancha marrom na fronha. Quantos dias ainda tenho de vida?”
(Bruno Brenfa – Jardim da Penha, ES)

DT: Durante o sono, seus músculos periféricos relaxam. Aberta, sua boca se resseca: a produção de saliva não é suficiente e a pouca que há “vaza”. Ruim, muito ruim. Boca seca é propicia à proliferação de bactérias e, consequentemente, halitose, cárie, ou até mesmo contaminação de doenças por um inseto digerido incidentalmente. Se você encheu a cara na noite anterior, a mancha pode ser substância proveniente de emesis (vomitar dormindo), bastante perigoso durante o sono com o risco de aspiração do próprio vômito e morte por asfixia. A cor marrom de sua mancha pode indicar o consumo de conhaque ou whisky na noite anterior, porém, dependendo do tom da coloração pode significar sérios problemas gastrointestinais, sangramento, úlcera, câncer, uso de medicação, dentre inúmeras outras possibilidades. 

– – –

Envie sua dúvida para [email protected] ou deixe um comentário.


 

25 comentários