Em um passado longíquo, os artistas expressavam seus sentimentos de forma verdadeira em suas composições. Gênios como Vinícius de Moraes e Tom Jobim nos presenteavam com belíssimas composições, que realmente nos emocionavam. Logo depois veio a onda do romantismo barato. Sertanejo e pagode trataram o amor como uma coisa de corno. Músicas onde não havia lugar para o final feliz. Muitos não sabiam o que fazer para dar fim a essa melancolia. Mas  para todo mal há uma solução. Sempre há uma luz no fim do túnel. Seu nome é Mag.

Um clássico desse nunca deve ser esquecido. Merece o selo internético de Velho, mas dourado!

Direto da cozinha capixaba!


 

1 comentário