A idéia mais idiota do mundo, depois de “entrar para os Rebeldes” é “criar um blog”. O sonho de “ser um astronauta” é idiota, mas pré-requisitos como “ter culhão” afastam a maioria dos panacas. Agora, ser “blogueiro” qualquer mentecapto pode ser. E muitos mentecaptos são. A melhor prova sou eu mesmo. Está na hora de fazer uma seleção natural.

Para ajudar nessa tarefa, decidi desmistificar alguns mitos sobre o ato de blogar. Quem sabe assim o seu sobrinho larga essa porra de computador e estuda para ser algo útil na vida.

“Blogar ajuda a fazer amizades”: Se você precisa de um computador para fazer amizades, confira o seu espelho. Algo me diz que você é a cara do Ed Motta.

“Blogs dão dinheiro”: Encontrar um blogueiro que ganhe um bom dinheiro com o blog é como encontrar uma virgem em uma enfermaria de gestantes. A última virgem que concebeu morreu há mais de mil anos. “Bom dinheiro” é aquela quantia que permite comprar um iate e não apenas três refeições por dia. Existem formas mais fáceis de ganhar grana. Tráfico de drogas é uma delas.

“Blogar traz fama”: Nem toda fama é desejável. Ser famoso entre office-boys punheteiros que acessam o seu blog enquanto o chefe não está olhando é uma coisa. Ser famoso entre as empregadinhas que acompanham o “Viva a Noite” é outra. As duas opções são de lascar, mas na segunda a gente deve ouvir menos palavrões. Eu optaria pela segunda.

“Blogar é uma forma de contribuir com a sociedade”: Na boa, se a sociedade precisa da ajuda de blogueiros é porque está na hora de chover enxofre do céu. O máximo que eu aprendi em um blog foi encontrar 20 links para ver as fotos da Sheilla Carvalho nua. E metade dos links não funcionou.

De resto, blogar é como fumar maconha: você ri muito, mas não sabe bem a razão.

E para provar o mito de que blogueiros são mesquinhos, lá vai: acesse a bosta do meu blog. Walter Carrilho – Jornalismo Boçal. Não tem nada de útil, mas é de graça, caceta!

Ivo, valeu pelo convite suicida. Da próxima vez manda também a senha do seu banco, que tal?