Da série: “Será Que Sou Mesmo Um Ser Humano?”:

putz-full

No tempo em que ninguém desconfiava que você fosse um robô, se apropriar de piadas de domínio público era considerado, no mínimo, charlatanice.

(*) Cartum do Silveira, que podia tá matando.