A mãe diz pra eu fazer alguma coisa mas eu não faço nada
A luz do sol me incomoda, então deixo a cortina fechada
É que a televisão me deixou burro, muito burro demais
E agora eu vivo dentro dessa jaula junto dos animais

 

 

Com as primeiras décadas da revolução da informação, tornou-se senso comum que a grande mídia serve a grandes interesses e apresenta uma programação minuciosamente planejada para manipular as massas.

Como diz o grito de guerra entoado em uníssono durante coberturas de manifestações de movimentos sociais pela imprensa, “o povo não é bobo”. E como quem está na linha de frente leva chumbo, o maior alvo das críticas e protestos políticos sempre foi o maior grupo de telecomunicações do país (e da América Latina), a Rede Globo.

 

 

Contudo, antes que a empresa perca ainda mais expressão com a democratização do streaming pela internet e até eventuais futuras reformulações legislativas sobre concessões públicas, somos obrigados a aplaudir a ousadia de levar ao ar uma obra de arte cheia de metalinguagem e autorreferências (inclusive muitas autocríticas) como o humorístico Tá No Ar – A TV na TV.

Particularmente, considero o programa liderado por Marcelo Adnet e Marcius Melhem, de longe, a melhor coisa que a emissora carioca transmitiu em suas antenas desde a novela Kubanacan os tempos em que o Casseta era mensal – quando o Bussunda ainda era vivo.

 

 

Assim como seus legítimos antecessores, TV Pirata e Casseta & Planeta Urgente, o carro chefe da atração é a sátira dos clichês televisivos, porém com ainda mais liberdade para quebrar o protocolo “global”, como em críticas mais viscerais ou em referências explícitas (e muitas vezes literais) a diversas marcas e até a outros canais de televisão, além dos temas relacionados à internet.

Encerrando sua terceira temporada no próximo mês, a audiência do programa ainda não impressionou, mas a histeria no Twitter pode ser considerada uma espécie de “aclamação da crítica” nestes tempos atuais.

E como a produção parece pertencer mais ao universo da internet do que ao da própria televisão, muitas de suas cenas estão disponíveis no “YouTube da Globo”.

Da maratona completa com todas as temporadas, extraímos especialmente para os leitores do TRETA as 50 melhores esquetes do Tá No Ar!

 

 

MUSICAIS

1. Releitura da abertura da novela “Vale Tudo”

 

2. Lorde of the Ends – “Spoiler” (paródia de Lorde)

 

3. “Emoji” (paródia de MC Ludmilla)

 

4. “Refrão Chiclete” (pop)

 

5. “Jeitinho Brasileiro” (paródia de Gonzaguinha)

 

6. Samba-enredo da “Amarelo e Cinza”

 

7. ErraPM (paródia de R.P.M.)

 

8. “Intoxicadinha” (sertanejo universitário)

 

9. Chico Buarque de Orlando

 

10. “China Só Para Baixinhos”

 

11. Legião Umbanda

 

12. Bloco da Coisa Preta no carnaval carioca

 

13. “Dança do Matrix”

 


 

COMERCIAIS

14. Activista

 

15. Reaça

 

16. Sucristos

 

17. Escravas Bahia

 

18. Sincer Airlines

 

19. Qualquair Lines

 

20. Qualquerbank

 

21. Lebskol

 

22. 89 taxis

 

23. Nowdeste

 

24. Habino’s

 

25. PoliGod

 

26. PaiTunes

 

27. Club Socialista

 

28. Milico

 

29. Descolar.com

 

30. Uai Zé

 

31. Boneca Idosinha

 

32. Troiano

 

33. War Glória Perez

 

34. Plano de saúde

 

 

 

35. “Basta!”

 

36. Ricardo

 


 

FILMES E SÉRIES

37. O Quarteto Fanático

 

38. Dr. House Of Cards

 

39. Gaza Bonita

 

40. Acumuladores de Mulheres

 


 

PROGRAMAS

41. Esporte Pra Especular

 

42. Malhação Épocas (com André Marques)

 

43. Malhação Épocas (com Lulu Santos)

 

44. Minas Chef

 

45. Pedro Bial Elimina

 

46. Assembléia de Ateus

 

47. Túnel do Tempo: Antonio Fagundes no Menudo

 

48. Túnel do Tempo: Serginho Groisman no “Brazilian Day”

 

49. Túnel do Tempo: “Paulo Betti, a Feia”

 

50. Programa Silvio Santos

 


 

BONUS – Silvio Greatest Songs

 

E aí? Curtiu? Tá faltando algum quadro do programa nessa lista?

Deixe sua opinião nos comentários!


 

16 comentários

Sobre o autor

Ivo Neuman
Fundador

Fundador do TRETA e consultor de ginástica laboral do Não Salvo.